Primeira edição do Festival de Literatura POP – #Flipop

Oi vocês,

No último final de semana participei da primeira edição da FLIPOP – Festival de Literatura POP organizado pelo pessoal da Editora Seguinte. O evento aconteceu no Pavilhão Amarelo do Expo Center Norte e contou com a presença de diversos autores nacionais e internacionais.
Diferente do que estamos acostumados, a FLIPOP não é um local para se comprar livro, embora tivesse um quiosque da Saraiva, seu objetivo é unir os leitores e os autores para que haja uma troca e esclarecimento de dúvidas.
Durante o evento, aconteceram oito mesas temáticas com autores e livreiros com os mais variados temas. Passei muito tempo planejando como trazer todo o conteúdo debatido no evento, e por isso, resolvi separar em tópicos para tentar colocar o máximo de conteúdo possível.


  • Primeira mesa: O Poder da Internet

Mediada pela autora Iris Figueiredo, a mesa contou com a presença dos Booktubers Eduardo Cilto, Pam Gonçalves e a autora Chris Salles. Eles falaram sobre as mudanças que a internet trouxe para a vida deles. Pam Gonçalves defende que é extremamente importante que hajam grandes relações para crescer no meio.
Para eles, as Redes Sociais é uma forma de conseguir se conectar com os leitores e receber os feedbacks necessários para o crescimento, seja como autores ou como blogueiros/booktubers. Salles acredita que a melhor forma de se criar uma boa história é estudando e consumindo o máximo de todos os tipos de meios de comunicação. Tudo pode ser inspiração para um novo enredo.

  • Segunda mesa: Clichês: os que amamos, e os que precisam parar. 


Mediada por Frini Georgakopoulos, a mesa contou com a presença dos autores Iris Figueiredo e Vitor Martins, que contaram seus clichês favoritos e os que eles acreditam que já passaram da hora de serem excluídos da literatura. Iris confessou que usa diversos momentos da própria vida e de suas amigas para compor seus enredos.

  • Terceira mesa: Construindo um mundo real: Diversidade na ficção


Com a presença dos autores Barbara Morais, Eric Novello e Jim Anotsu e mediado por Taissa Reis, os autores falaram sobre a importância de criar um bom cenário e personagens coerentes para que seu enredo seja melhor trabalho.
Para eles, os enredos são como a ponta de um iceberg. Nem todas as regras precisam estar no enredo de forma explicita, o autor precisa de tudo já o leitor, precisa compreender o básico. 
Há quem ache que essa preocupação serve apenas para os livros de fantasia ou distopia mas não todos os gêneros precisam ter tudo bem planejado. Novello ainda ressaltou a importância de criar personagens verossímil possível.
  • Quarta mesa: A Rebelde do Deserto


Com a presença da Canadense Alwyn Hamilton, a quarta e última mesa do sábado teve como tema principal a trilogia A Rebelde do Deserto lançado pela Seguinte.
Simpática, a autora informou que já finalizou o último livro da trilogia e está em fase de edições. A maior dificuldade para Hamilton, foi cumprir os prazos. Ela disse que houve um momento em que ela deitou no chão do quarto do irmão dela e ficou por horas na mesma posição. 
Ela disse também que conforme a série foi crescendo e ganhando forma, ela sentiu necessidade em trabalhar melhor alguns personagens secundários, mas com o prazo apertado, ela não conseguiu fazer tudo da forma como queria. 
A Rebelde do Deserto já teve seus direitos comprados, mas Alwyn afirma que não está à frente do projeto, mesmo estando muito empolgada, ela procura saber pouco sobre as decisões tomadas para a adaptação. Já quando o assunto é futuro, ela informou que está trabalhando em um novo projeto que se passa no mesmo universo da sua primeira trilogia, mas no futuro.
Alwyn ainda aproveitou para dar algumas dicas para quem sonha em escrever: seja sempre criativo e nunca se compare com alguém. Utilizando nossas vivencias, é possível criar enredos únicos. 

“Todo mundo é herói da própria história”

  • Quinta mesa: Dicas de Escrita


Mediado pela equipe da Editora Seguinte, a primeira mesa do domingo, trouxe a autora Socorro Acioli vencedora do prêmio Jabuti e um amor de pessoa. Durante toda essa mesa ficamos conhecendo um pouco mais da carreira de Socorro além de diversas dicas para compor melhor seus enredos. 
Acredito que essa tenha sido a mesa mais interessante para quem quer arriscar como escritor. Acioli defende que um bom enredo traz a vivencia do autor e critica aqueles que seguem a mesma forma de “Crepúsculo” e “High School Musical”, para ela é necessário que se conheça sobre o que está falando e nada melhor que nossas próprias histórias para conquistar melhores enredos. 
Mesmo com um foco especifico, a equipe da Seguinte deixou bem claro que para chamar atenção para publicação de um original e ter um bom enredo e não se prender em uma tendência. Nunca sabemos quando um livro será um sucesso ou não. 
Socorro disse também que o ideal é escrever diariamente, mas nem todo mundo tem essa rotina, então, sempre que possível, tira meia hora do seu dia para se planejar e criar um enredo legal. É importante ter um caderno para anotar as características de seus personagens e o mundo que está criando.

  • Sexta mesa: A Lógica Inexplicável e os Segredos do Universo


Mediado pelo autor Vitor Martins, o bate-papo com o autor Benjamin Alire Sáenz foi o mais emocionante da FLIPOP. O autor falou sobre a importância do diálogo entre as gerações e a falta que o amor ao próximo faz no nosso mundo. Sáenz tem uma forma tão doce de relatar os fatos que era praticamente impossível não se encantar por ele. 
Para os fãs do autor, ela já informou que está escrevendo um segundo livro que será uma continuação para Aristóteles e Dante, onde ele trabalhará alguns pontos que ficaram em abertos no primeiro livro. 

“O trabalho mais importante que tenho é escrever para vocês"

  • Sétima mesa: Das páginas para a tela: Adaptação e Transmídia


Mediada pela autora Iris Figueiredo, a penúltima mesa do evento contou com a presença das autoras Luiza Trigo e Larissa Siriani. Luly acabou de ter seu filme “Meus 15 anos” adaptado para o cinema e contou um pouco sobre a experiencia. A autora afirmou que está muito feliz de ter um livro nos cinemas, uma vez que sabe como é difícil hoje ser um autor nacional e ganhar visibilidade. Formada em cinema, ela está animada para que seus outros livros também ganha forma nas telonas.
Já Larissa, adaptou o clássico “Senhora” de José de Alencar em formato de websérie. Dona Moça teve 35 episódios e tudo foi feito de uma maneira bem simples com a ajuda de diversas pessoas. 

  • Oitava mesa: Profissão fã!


Mediado por Barbara Morais, a mesa era composta por Maya Sigwalt, Babi Dewet e Frini Georgakopoulos. Elas conversaram sobre o lado bom e o nem tão bom assim de ser fã. Cada uma contou suas maiores loucuras e conquistas quando o assunto é: artista favorito.
Para elas, ser fã é admirar o trabalho alheio. E não teve um bate-papo melhor para encerrar o evento. 



A FLIPOP mostrou que tem muito mais para oferecer, se ela fosse um evento que durasse uma semana inteira, seria mais que perfeito. A convenção ainda contava com estandes para fotos instantâneas, sorteio no espaço do Turista Literário e até um tiro ao alvo em homenagem ao livro A Rebelde do Deserto. Na noite de sábado, também aconteceu o Baile da Seleção, um espaço muito organizado e bonito. Ótimo para quem sempre quis ser uma das selecionadas, dava até para se fantasiar. 



Conversando com a Gabi da editora, descobri que a proposta é ter edições da FLIPOP todos os anos inicialmente em SP, e inclusive nos anos de Bienal por aqui! Isso tudo, porque – como já citei – a FLIPOP não possui a intenção de ser uma feira de livro onde passamos horas em pé e sem contato com os autores. Bacana, né? 
Sei que o post ficou maior que o esperado, mas foi um final de semana intenso e cheio de conteúdo, nada melhor que passar para frente, certo? Espero que tenham gostado.



Beijinhos,

18 comentários

  1. Ai que delicinha de evento Ani, eu fiquei encantadíssima e realmente gostaria muito de presenciar um lugar desses, deve ser um sonho, fico feliz que tenha se divertido e contato tudinho para nós.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Ain, adorei a sua postagem. Eu estava louquinha para ir na FLIPOP, mas moro muito longe!!!
    Deve ter sido muito interessante, super bacana mesmo. Eu vi algumas fotos do baile de A Seleção e fiquei encantada. Obrigada por dividir com a gente a sua experiência e nos mostrar um pouco do que rolou por lá.

    ResponderExcluir
  3. Ani,

    Eu adorei sua postagem, mesmo porque eu vi muita coisa da FLIPOP, mas não sabia muito bem o que era, mas adorei a forma com que você narrou os acontecimentos deste encontro maravilhoso com a leitura! Amei! Gostaria de participar um dia de uma FLIPOP! Beijão,

    Drica.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ani! Adorei o post! Eu não consegui ir em nenhum dia do evento, foi muito frustrante. Que bom que você pôde transmitir o que passou por lá! Muito bom o post!
    Bjos!
    Lucy
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    Adorei o seu post, estou me sentindo meio desinformada pois nunca ouvi falar desse evento, mas fiquei com muita vontade de ir. Vou ficar atenta para quando tiver outra edição. É ótimo para nós blogueiros nos informar mais sobre o meio. Adorei!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que lindo a post e lindo o evento. Infelizmente estive com os dias muito corridos e bem afastada da internet e nao fiquei sabendo dele, mas fico feliz em saber que alguém compareceu e pode estar passando a experiencia para nós.

    ResponderExcluir
  7. Que evento maravilhoso
    eu adoraria ter participado
    deve ser demais estar em um lugar
    em que muitos são parecidos com vc
    amei

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Ahh que lindo evento!
    Poxa vou torcer para que venha para o RJ né, afinal esbanjou qualidade.
    Ia pirar com a mesa da Rebelde do Deserto, li há pouco tempo e me apaixonei pela autora.
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Esse evento deve ter sido maravilhoso, fiquei com vontade de participar.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Oeeee, que coisa mais linda, sempre quis ir a eventos assim, pena que aqui onde moro não tenha quase nenhum! com certeza da pra aprender muita coisa e ficar por dentro do mundo literário!

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem? Nossa queria muito ter ido no festival, mas me senti lá com seus relatos. Espero que ano que vem possa fazer aqui no RJ! O que senti muito foi trazerem autores internacionais e somente na FLIPOP. Mas enfim, fazer o que. Que lindo o kit que ganhou (?) Ganhou né? Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. oiiie
    que maravilha de evento, adorei os temas de debates, principalmente as dicas de escrita e o que devemos amar. Amei esse kit da foto, seria meu sonho de princesa? hahahaha
    adorei o post, tinha curiosidade e você conseguiu falar tudo do evento num post maravilhoso

    ResponderExcluir
  14. Ani, queria taaaaaaaaaaaaaaanto ter ido na Flipop!
    Uma pena ser tão longe de casa, mas adorei ver tudo por aqui.
    Tomara que na próxima eu vá e possamos nos conhecer ;)
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Adorei o evento, que eles consigam realizar anualmente como estão planejando, algo diferente no meio do consumismo todo kk. Acho muito imporante esse contato dos escritores com os fãs, as dicas enfim. Vou ficar de olho e ano que vem com certeza estarei lá ;)

    Beeijos Agda Alcerim

    ResponderExcluir
  16. Apesar de não ter participado - ou principalmente por isso. Eu estou caçando que nem louca informações sobre esse evento que foi maravilhoso. Confesso que fico alternando entre completamente frustrada em não ter ido e muito feliz porque algo assim está surgindo por aqui. A gente paga metade metade ou um quarto (quem tem meia) desse valor para ir numa Bienal do Livro, por exemplo, onde praticamente vamos apenas para ficar em filas intermináveis e gastar dinheiro com comidas supervalorizadas. Um ambiente que fomenta muito mais a competição por várias coisas entre as pessoas (para autógrafo, palestra, foto...)... Discutir as coisas que envolvem a literatura parece o de menos nessas grandes feiras. Depois de saber como a Flipop funciona, eu com certeza pagaria por essa experiência! E acho que as outras editoras também deveriam investir em mais eventos de qualidade e focar menos na quantidade. Isso aqui já tá virando um post hahah Adorei sua cobertura, Ani!

    Psicose da Nina | Instagram
    Colunista no Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  17. Oie, amei o evento, pena que aqui no Rj não tem
    bjs

    ResponderExcluir
  18. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia este evento, mas adorei que tivesses publicado acerca dele!! :)

    E pena que more tao longe, senão teria dado um pulinho la! ahah

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir

Oi você, que bom que chegou até aqui, não esqueça de deixar um comentário.

- Criticas, duvidas, sugestões são sempre bem vindas!

Obrigada pela visita e volte sempre ;*

Contato: contato@entrechocolatesemusicas.com